REFLEXÃO: QUEM DIZ SABER É O MAIOR DOS IGNORANTES.

As maiores vaidades humanas provem do nosso próprio egoísmo. Quem poderá dizer que sabe ou que conhece tudo? — não se trata de títulos acadêmicos. Dizemos isso, com relação daqueles que se sentem possuidores de grande saber a respeito dos mistérios do reino de Deus.

Se tomarmos, por exemplo, o que ocorre com o conhecimento científico. Que é um ramo de estudo que formaliza hipóteses, teorias e até estabelece princípios e leis, mas que muitas das vezes em menos de um século tudo muda, novas “certezas” são estabelecidas. Ou seja, não é raro que estudos de determinado conhecimento se revelam equivocados poucas décadas depois de publicados.

Então, o que dizer de alguém que lê durante 40 anos da mesma fonte, pode se tornar um conhecedor sobre tudo? — vaidade tudo é vaidade, como dizia o apostolo Paulo. A voz do grande Platão sobre seu o mestre Sócrates ecoa há milênios: “só sei que nada sei…”

Contudo, no ramo da psicologia comportamental, tem um termo cunhado há décadas, chama-se (Coerência): trata-se da ideia de manutenção da própria identidade no longo do tempo. Explicamos através de exemplo bem popular: alguém que se diz torcedor do flamengo, logo, essa pessoa resistiria muito a simples ideia de vestir uma camisa do São Paulo.

Da mesma maneira alguém que está “ensinando” determinado preceito ao qual lhes disseram ser verdadeiro, certamente se oporá em mudar de opinião, ou ao menos verificar se há possibilidade de tal “doutrina” seja a correta, pelo simples fato de ser coerente com aquilo que se tornou um dogma.

Por fim, sempre que alguém disser que determinado conhecimento guarda uma verdade (absoluta), isso é o primeiro indicativo de que estamos diante de um dogma. E como sabemos, estes não guardam relação com fatos, visto pertence ao mundo do subjetivismo de determinado grupo de pessoas.